Logo

Pedúnculo do caju

Processamento do pedúnculo do caju

Apresenta-se um conjunto de operações, que vai desde a colheita até a seleção dos frutos, deixando-os prontos para qualquer tipo de processamento que se deseja utilizar.

Cajunor 

13/02/2010

Apresenta-se um conjunto de operações, que vai desde a colheita até a seleção dos frutos, deixando-os prontos para qualquer tipo de processamento que se deseja utilizar.

Colheita

O pedúnculo do caju deve ser colhido destacando-se da planta aqueles em altura ao alcance das mãos e apanhando-se do chão aqueles caídos dos galhos mais altos, que estejam em bom estado de conservação, sem apresentar bolores ou sinais de fermentação. Como o pedúnculo torna-se impróprio para consumo após 48 h de sua queda ao solo, a colheita deve ser feita diariamente. Por ser uma fruta não climatérica, isto é, que não amadurece fora do pé, o pedúnculo não pode ser colhido "de vez". A colheita tem início 60 a 70 dias após o início da floração.

Descastanhamento

No caso do descastanhamento ser feito no campo, essa operação deve ser efetuada após a lavagem, para não ocorrer contaminação do interior do fruto. Pode ser feito manualmente, pela torção da castanha ou, preferencialmente, por estrangulamento com fio de nylon. Deve-se tomar cuidado para evitar que o fruto se rompa. As castanhas separadas devem ser pesadas também para o cálculo de rendimento.

Transporte

Atualmente, para a indústria, a remoção da castanha realiza-se no campo, no ato da colheita. Os pedúnculos devem ser transportados em caixas de pouca altura, para evitar a sua superposição demasiada, pois isso pode amassar as frutas e ocorrer perda do suco. De preferência , deve-se usar caixas com o fundo perfurado, para permitir uma eventual drenagem do suco. Em geral, essas caixas têm capacidade para 17,6 litros ou seja, 8 kg a 9 kg de pedúnculo, com as seguintes dimensões: 0,50m x 0,22m x 0,16m.

Recepção/Pesagem

A recepção efetua-se em local próximo aos pré-lavadores, sendo feita a pesagem em balança tipo plataforma, para fins de pagamento e para cálculo do rendimento do produto final. (obs. A quantidade de matéria-prima deve ser suficiente para que o processo de produção não sofra interrupção.)

1ª. Lavagem

Realiza-se em tanque, por imersão e passagem sob água corrente, quando possível, para remoção das sujeiras grosseiras aderidas ao fruto. Seleção A seleção realiza-se manualmente, em esteiras ou mesas amplas. Devem ser retirados os pedúnculos impróprios para o processamento, ou seja, os frutos murchos, estragados ou muito verdes.

2ª Lavagem

Remoção da sujeira fina e redução da quantidade de microorganismos presentes na superfície dos pedúnculos. Deve-se utilizar imersão em água clorada com 20 ppm, ou seja, para cada 100 litros de água, usam-se 100 ml de água sanitária (meio copo). Deixar 2 a 3 minutos na água clorada e transferir para outro tanque, para lavagem com água corrente de boa qualidade, para remoção do cloro. Após a 2ª lavagem, os frutos estão prontos para o processamento.

Informações retiradas da publicação:

PAIVA, F.F. de A. : GARRUTTI, D. dos S.; SILVA NETO, R.M. da. Aproveitamento industrial do caju. Fortaleza: Embrapa agroindústria Tropical/SEBRAE-CE, 2000. p. 34-35. il. ( Embrapa Agroindústria Tropical. Documentos, 38)

© 2009 Cajunor — Todos os direitos reservados. E-mail: cajunor@cajunor.com.br